terça-feira, 6 de abril de 2010

ESCUTAR O UNIVERSO NA CASTANHEIRA DA SERRA


Ouvir os murmúrios do 'Big Bang' na Pampilhosa

Projecto liderado por prémio Nobel da Física observa Via Láctea na Pampilhosa da Serra.


A antena com nove metros de diâmetro foi colocada numa zona deserta em que as interferências são quase nulas A antena com nove metros de diâmetro foi colocada numa zona deserta em que as interferências são quase nulasOuvir as origens do Universo. É esse o objectivo do projecto que levou à instalação de uma antena parabólica com nove metros de diâmetro na Serra do Açor, Pampilhosa da Serra, para escutar emissões de rádio e de microondas provenientes da Via Láctea. A iniciativa é liderada internacionalmente por George Smoot, da Universidade da Califórnia em Berkeley, EUA, prémio Nobel da Física em 2006. O principal objectivo do Projecto GEM (Galactic Emission Mapping - Cartografia da Emissão Galáctica) é disponibilizar dados para um estudo mais detalhado da radiação cósmica de fundo, considerada pelos cientistas um fóssil do 'Big Bang' - teoria segundo a qual o universo surgiu de um estado muito quente e denso, há 13,7 mil milhões de anos. Em particular, os astrofísicos procuram estudar pequeníssimas variações na radiação cósmica de fundo, indicadoras do surgimento de grandes estruturas no universo, como os enxames e superenxames de galáxias. A instalação deste pequeno observatório de radioastronomia teve em conta medições do espectro radioeléctrico em vários pontos do país. O local escolhido apresenta uma interferência de fontes de rádio quase nula - sem ser afectado por estações de rádio e televisão, rádio amadoras, redes de telemóveis e até pela proximidade de fornos caseiros de microondas ou por motores de motociclos. Antes de vir para Portugal, o projecto GEM recolheu dados na Antártida, na Califórnia, na Colômbia, em Espanha e no Brasil. Foi então utilizada uma antena de cinco metros de diâmetro. Em Portugal, o investigador principal, Domingos Barbosa, do Instituto de Telecomunicações de Aveiro, conseguiu o apoio logístico de várias empresas. A Portugal Telecom, por exemplo, cedeu uma antena de telecomunicações desactivada de maiores dimensões, que funcionou na base das Lajes, nos Açores. Conseguiu ainda o apoio da Câmara Municipal de Pampilhosa da Serra, que fez as terraplenagens. As verbas iniciais da Fundação para a Ciência e a Tecnologia mal cobriam as primeiras despesas. "O que fica caro não é o projecto científico em si mas as infra-estruturais. Essa tem sido a nossa luta", diz Domingos Barbosa. A logística funcionará no ambiente bucólico da aldeia de Fajão, uma característica localidade de xisto das Beiras. Curiosamente, uma das preocupações dos investigadores é que os javalis, que podem encontrar-se na região, não roam os cabos da antena. A electrónica do receptor e várias partes mecânicas foram desenvolvidas e testadas em Portugal. Os seus responsáveis já capitalizaram a aposta ao serem convidados para o consórcio do maior radiotelescópio do mundo: o SKA (Square Kilometre Array, uma rede com um km2). Este gigantesco sistema de 4000 pequenas antenas, semelhantes à de Pampilhosa da Serra, deverá ser instalado na África do Sul ou na Austrália, entre 2013 e 2020. As operações deverão ter início em 2015. Os promotores do SKA estão especialmente interessados nos desenvolvimentos e na experiência adquiridos pelo grupo português. Os dados recolhidos pela antena do GEM Portugal serão também integrados no pacote utilizado pela Agência Espacial Europeia na calibração das observações do satélite Planck. Com lançamento previsto para o início do próximo ano, a bordo do foguetão Ariane-5, o Planck irá registar a radiação cósmica de fundo com um rigor sem precedentes. O resultado esperado é uma melhor compreensão da origem do universo e do processo de formação das galáxias. Antena ajudará NASA a calibrar Sonda Juno Os dados do projecto GEM-Portugal serão ainda utilizados pela NASA para calibrar a sonda Juno, que partirá para Júpiter em 2011. Este veículo observará em detalhe o magnetismo, a gravidade e a química atmosférica do maior planeta do sistema solar. Em particular, a Juno deverá registar as auroras de Júpiter, usando frequências que o GEM operará brevemente e com resoluções comparáveis. A equipa foi contactada pelo Laboratório de Propulsão a Jacto, da NASA, uma vez que o GEM terá o céu e a galáxia cartografados com calibração quase absoluta. Durante o voo, a sonda rodará para fazer varrimentos circulares. Estes serão utilizados para calibrar a sonda.

ARTIGO E FOTOS PUBLICADOS NO JORNAL EXPRESSO EM DEZEMBRO DE 2008

1 comentário:

lin disse...

Possibly the most amazing blog that I read all year dresses with sleeves!?!